A implicação da família no uso abusivo de drogas: uma revisão crítica. Ciênc. Saúde Coletiva, vol. 8, n.1, Rio de Janeiro, jul./set. 2003.


A importância da família no tratamento do uso abusivo de drogas: uma revisão da literatura. Cad. Saúde Pública, vol. 20, n. 3, Rio de Janeiro, maio/jun. 2004.


Uso e abuso de drogas psicotrópicas no Brasil. Revista IMESC, nº 3, pp. 37-42, 2001.


Uso, abuso e dependência de drogas. In: SILVA, E. A.; MICHELI, D. Adolescência, uso e abuso de drogas: uma visão integrativa. São Paulo: Fap-Unifesp, 2011.


ALMEIDA, J. J. R. L. de. A compulsão à linguagem na psicanálise. Teoria lacaniana e psicanalítica pragmática, 2004. Tese de doutorado apresentada ao Departamento de Filosofia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, SP.


AMERICAN COLLEGE OF PHYSICIANS. Health and Public Committee. Chimical Dependence. Ann. Inst. Med. 1985.


AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. 4. ed. Washington, DC, 1994.


ANCONA-LOPEZ, M. Religião e Psicologia Clínica: quatro atitudes básicas. In: MASSIMI, M.; MAFHFOUD, M. (org.). Diante do mistério: psicologia e senso religioso. São Paulo: Loyola, 1999.


ANDOLFI, M., ANGELO, C., MENGHI, P., et al. Por trás da máscara familiar – Um novo enfoque em terapia da família (M. C. R. Goulart, Trad.). 3. ed. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1984.


ANDRADE, A. G. de; DUARTE, P. C. A. V. do; OLIVEIRA, L. G. 1º Levantamento Nacional sobre o uso de álcool, tabaco e outras drogas entre universitários das 27 capitais brasileiras. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, Faculdade de Medicina da USP, 2010.


ANDRADE, Artur Guerra de, NICASTRI, Sérgio, TONGUE, Eva. et al. Drogas: atualizações em prevenção e tratamento: Curso de treinamento em drogas para países Africanos de língua Portuguesa. S.l. Lemos, [ ca.1992 ].


ARIÈS, P. História Social da Criança e da família. 2.ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.


Association AP. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. 4th ed. Association AP, editor. Washington, DC; 1994 e CID10. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. Versão: 1.6c Data da versão: 30/9/1998 Fonte: <http://www.datasus.gov.br/cid10/download.htm>. Acessado em 12.4.2012.


BABOR, Thomas F. Controvércias Sociais, Científicas e Médicas na definição de dependência do álcool e das drogas. In Edwards, Griffith, Malcolm Lader, Artes Médicas:1994.


BAGNO, S.; RENEPONTES, P. Codependência afetiva: um olhar sistêmico. In: MACEDO, R. M. S. Terapia familiar no Brasil na última década. São Paulo: Rocca, 2008.


BARBOURS, S. Et al. Drug legalization – current controversies. Greenhaven Press, 2000


BERG, I. K.; MILLER, S. D. Trabajando com el problema del alcohol, orientaciones y sugerencias para la terapia breve de familia. Espanha: Gedisaed, 1996.


BERGERET, J., LEBLANC, J. et al. Toxicomanias: Uma visão multidisciplinar. Trad. Maria Teresa Baptista. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.


BERRIDGE, V. Dependência: história dos conceitos e teorias. In: EDWARDS, G.; LADER, M. et al. A Natureza da Dependência de Drogas. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.


BRASIL, Valéria Rocha. O tratamento da dependência química: Relato de experiência. O mundo da Saúde, São Paulo, V.23 (1): 43-47, jan./fev. 1999.


BRASIL. Ministério da Educação. Programa Valorização da Vida. Proposta para uma política nacional de prevenção do consumo do álcool, tabaco e outras substâncias psicoativas. Brasília: Ministério da Educação, 1990.


BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Inquérito domiciliar sobre comportamentos de risco e morbidade referida de doenças e agravos não-transmissíveis: Brasil, 15 capitais e Distrito Federal, 2002-2003. Rio de Janeiro: INCA, 2004. 183 p.


BREITMAN, G. S., STREY, M. N. Questões de gênero: Com a palavra, mediadores e mediadoras. Psicol. Argum. Curitiba, v.24, n. 46, jul./set.2006. Disponível em: <www.biblioteca.redepsi.com.br/browse/index/11?sortId=&recordsPage=3-22k>. Acesso em 1 out. 2008).


BROECKER, C. Z.; JOU, G. I. de. Práticas educativas parentais: a percepção de adolescentes com e sem dependência de drogas. PsicoUSF, v.12, n.2, Itatiba, dez. 2007.


BÜCHELE, F.; COELHO, E. B. S.; LINDNER, S. R. A promoção da saúde enquanto estratégia de prevenção ao uso das drogas. Ciênc. Saúde Coletiva, vol.14, n.1, Rio de Janeiro, jan./fev. 2009.


BUCHER, Richard. Drogas e drogadicção no Brasil. Porto Alegre: Artes Médicas,1992.


BURNS J.; LABONIA FILHO, W. SUPERA – Sistema para a detecção do uso abusivo e dependência de substâncias psicoativas: Encaminhamento, intervenção breve, reinserção social e acompanhamento. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA – Gabinete de Segurança Institucional – Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Encaminhamento de pessoas dependentes de substâncias psicoativas: Módulo 5 – Capítulo 3 – Grupos de Ajuda – Mútua no tratamento de pessoas dependentes de substâncias – 2008.


CAPRA, F. O Ponto de mutação: A Ciência, a sociedade e a cultura emergente. 22.ed. rev. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 1999.


CARLINI, E. A., GALDURÓZ, J. C. F., NOTO, A. R., et al. Levantamento Domiciliar Sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil: Estudo Referências 124 envolvendo as 107 maiores cidades brasileiras. São Paulo: CEBRID-Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas.UNIFESP, 2001.


CARLINI, E. A; NAPPO, S. A.; GALDURÓZ, J. C. A cocaína no Brasil ao longo dos últimos anos. Revista ABP-APAL,v.15, n. 4, pp.121-7, out.-dez. 1993.


CARLINI, E. C.; NAPPO, S. A.; GALDURÓZ, J. C. F., et al. Drogas Psicotrópicas – o que são e como agem. Revista IMESC, v. 3, pp. 9-35, 2001.


CARTANA, M. H. F.; SANTOS, S. M. A. dos; FENILI, R. M. et al. Prevenção do uso de substâncias psicoativas. Texto & Contexto Enfermagem, vol. 13, n. 002, pp. 286-289, Florianópolis, SC, abril- junho, 2004.


CARTER, B.; MCGOLDRICK, M. et al. As mudanças no ciclo de vida familiar, uma estrutura para a terapia familiar. Artes Médicas, 2. ed., 1995.


CERVENY, C. M. O. A família como modelo. Desconstruindo a patologia. 2. ed. Revista e Atualidade Editora Livro Pleno, 2011.


CERVENY, C. M. O.; BERTHOUD, C. M. E. Visitando a família ao longo do ciclo vital. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002, p.21.


CÉSAR, B. A. L. Alcoolismo feminino: um estudo de suas peculiaridades. Resultados preliminares. J. Bras. Psiquiatr., v. 55, n. 3, pp. 208-211, 2006.


COOK, C. C. H.; GURLING, H. M. D. Os aspectos genéticos do alcoolismo e do abuso de substâncias: uma revisão. In: EDWARDS, G.; LADER, M. et al. A Natureza da Dependência de Drogas. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.


COSTA LEITE, Marcos, ANDRADE, Artur Guerra. et al. Cocaína e Crack: Dos fundamentos ao tratamento. Porto Alegre: Artmed, 1999.


DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (org.) O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.


DUTRA, D. B. Alcoolismo Feminino: Comparação de Características Sociodemográficas e Padrão de Evolução entre Homens e Mulheres Alcoolistas. Tese de Doutorado. Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 1996.


EDWARDS, Griffith, DARE, Cristopher. et al. Psicoterapia e Tratamento de adições. Trad. Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artes Mádicas, 1997.


EDWARDS, Griffith, MALCOLM Lader. et al. A Natureza da dependência de drogas. Trad. Rose Eliane Starosta. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.


EDWARDS, Griffith, MARSHAL, Jane E., COOKO, Cristopher C. H. Tratamento do alcoolismo um guia prático para profissionais da saúde – 3ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999


EDWARDS, Griffith. O tratamento do alcoolismo. Trad. José Manuel Bertolote.São Paulo: Martins Fontes, 1987.


FIGLIE, N.; FONTES, A.; MORAES, E. et al. Filhos de dependentes de drogas com fatores de risco biopsicossociais: necessitam de um olhar especial? Rev. Psiq. Clín., v. 31, n. 2, pp. 53-62, São Paulo, 2004.


FILIZOLA, C. L. A.; NASCIMENTO, M. M. A.; PERÓN, C. J. de et al. Compreendendo o alcoolismo na família. Esc. Anna Nery R. Enferm., v. 10, n. 4, pp. 660-70, dezembro, 2006.


FRACASSO, L. 2008. SUPERA – Tratamento de pessoas dependentes de substancias em comunidades terapêuticas. Sistema para a detecção do uso abusivo e dependência de substâncias psicoativas: encaminhamento, intervenção breve, reinserção social e acompanhamento. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA – Gabinete de Segurança Institucional – Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Encaminhamento de pessoas dependentes de substâncias psicoativas: Módulo 5 – Capítulo 4 – Grupos de Ajuda – Mútua no tratamento de pessoas dependentes de substâncias – 2008.


GALDURÓZ, J. C. F. O uso de substâncias psicoativas no Brasil: Epidemiologia, Legislação, Políticas Públicas e Fatores Culturais. Cap.2 – SUPERA – SENAD, 2006.


GALDURÓZ, J. C. F.; NOTO, A. R. Uso pesado de álcool entre estudantes de primeiro e segundo graus da rede pública de ensino em dez capitais brasileiras. CEBRID. Jornal Brasileiro de Dependência Química, v.1, pp. 25-32, 2000.


GHODSE, H. Drugs and addictive behaviour: a guide to treatment.2ed Oxford: Blackwell Science, 1995.


GITLOW, Stanley E., PEYSER, Herbert S. et al. Alcoolismo: Um guia prático de tratamento. Trad. Beatriz Costa Pinto Zonari. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.


GOMEZ, D.C.e Vera, K.J.V. Família y Farmacodependencia:uma revision bibliografica. Centro de Integracion Juvenil, México: Perfil Família,1985.


GOUVEIA, V. V.; SANTOS, W. S.; PIMENTEL, C. E. et al. Atitudes frente às drogas e uso de drogas entre os adolescentes: explicações a partir dos valores humanos. In: SILVA, E. A.; MICHELI, D. Adolescência, uso e abuso de drogas: uma visão integrativa. São Paulo: Fap-Unifesp, 2011.


GRANDESSO, M. A. Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.


GRANT, K. A.; HOFFMAN, P. L.; TABAKOFF, B. Abordagens neurobiológicas e comportamentais da tolerância e da dependência. In: EDWARDS, G.; LADER, M. et al. A Natureza da Dependência de Drogas. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas,1994.


HORTA, R. L.; HORTA, B. L.; PINHEIRO, R. T. Drogas: famílias que protegem e que expõem adolescentes ao risco. J. Bras. Psiquiatr., 2006.


HUMBERG, L. V.; COHEN, C. Não existe um codependente, existem dois dependentes. São Paulo: Interlivros, 1980.


IBGE. População brasileira estimada em 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em <www.ibge.gov.br>. Acessado em 12.4.2012.


KALINA, E. et al. Drogadição hoje: indivíduo, família e sociedade. Porto Alegre: Artmed, 1999.


KALINA, E.; KOVADLOFF, S.; ROIG, P. M. et al. Dependência de drogas hoje. Indivíduo, família e sociedade. São Paulo: Artmed, 1999. 


LARANJEIRA, R.; DUAILIBI, S.; PINSKY, I. Álcool e violência: a psiquiatria e a saúde pública. Rev. Bras. Psiquiatr. 2005, v. 27, n. 3, pp.176-177.


LARANJEIRA, R.; ROMANO, M. Consenso brasileiro sobre Políticas Públicas do Álcool. Rev. Bras. Psiquiatr., vol. 26, n.1, São Paulo, maio 2004.


LARANJEIRA, Ronado, FIGLIE, Neliana, BORDIN, Selma. Aconselhamento em Dependência Química. São Paulo:Ed Roca, 2004


LARANJEIRA, Ronaldo & PINSK, Ilana. O alcoolismo – Mitos e Verdades. São Paulo: Ed Contexto, 1998.


LARANJEIRA, Ronaldo, JUNGERMAN, Flávia, DUNN, John. Drogas: Maconha Cocaína e Crack – Mitos e verdades. São Paulo: Editora Contexto, 1998.


LARANJEIRA, Ronaldo. Bases para uma política de tratamento dos problemas relacionados ao álcool e outras drogas no Estado de São Paulo. Jornal brasileiro de Psiquiatria, s.l. V.45. (4). 191-199, abril.1996.


LEITE, M. C. Abuso e dependência de cocaína: Conceitos. In: LEITE M. C., ANDRADE, A. G. Cocaína e crack: dos fundamentos ao tratamento. Porto Alegre: Artmed;1999. p.25-41.


MACEDO, R. M. S.; KUBLIKOWSKI, I. Os valores positivos e o desenvolvimento do adolescente: uma perspectiva dos pais. Rev. Bras. de Crescimento e Desenvolvimento Humano, v. 16, n. 2, maio/ago. 2006, pp. 38-52.


MACEDO, R.; KUBLIKOWSKI, I.; GRANDESSO, M. A Interpretação em pesquisa qualitativa: a construção do significado. Anais da I CIBRAPEQ – Conferência Internacional do Brasil de Pesquisa Qualitativa. Taubaté, 2004.


MARLATT, Alan G. e colaboradores. Redução de Danos: Estratégias Práticas para lidar com comportamentos de alto risco. Trad. Daniel Bueno. Porto Alegre: Artmed, 1999


MARLATT, G.A. & GORDON, J. R. (orgs.). Prevenção de recaída: estratégias de manutenção de comportamentos aditivos (D. Batista, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas, 1993, pp. 64-113.


MARLATT, G.A. Determinantes situacionais da recaída e intervenções de treinamento de habilidades. In: MARLATT, G.A. & GORDON, J. R. (orgs.). Prevenção de recaída: Estratégias de manutenção de comportamentos aditivos (D. Batista, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas, 1993, pp. 64-113.


MARQUES, A. C. P. R. O uso de álcool e a evolução do conceito de dependência de álcool e outras drogas e tratamento. Revista IMESC, v. 3, pp.73-86, 2001.


MARQUES, M. E.; LOURENÇO, P.; COSTA, S. Risco de recaída numa amostra de dependentes de drogas portugueses; da compreensão à intervenção. Revista Toxicodependências, v. 17, n. 2, pp. 77-83, 2011.


MARTINI, M. I. G.; BERNARDELLI, M.; PAGLIARINI, V. Quando as Histórias se Repetem: o Estudo de Dois Genetogramas. São Paulo, 2010.


MCGOLDRICK, M.; GERSON, Randy. Genetogramas e o ciclo de vida familiar. Tradução VERONESE, M. A. V. In: CARTER, B.; MCGOLDRICK, M. (orgs.). As mudanças no ciclo de vida familiar. 2ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.


MCGRADY, Barbara S., EPSTEIN, Elizabeth E. Adictions – a comprehensive guidebook


MESQUITA, Ana Maria C., HALPERN Marina, BUCCARETCHI A Prevenção ao abuso de álcool e outras drogas. In Andrade, Artur Guerra de, Nicastri, Sérgio, Tongue, Eva. et al. drogas: atualizações em prevenção e tratamento: curso de treinamento em drogas para países Africanos de língua Portuguesa. S.l. Lemos, 1994


MESSASA, G. P.; VALLADA FILHO, H. P. O papel da genética na dependência do álcool. Rev. Bras. Psiquiatr. São Paulo, v. 26, Supl. I, pp. 54-58, 2004.


MICHELI, D. e FORMIGONI. Intoxicação por drogas psicoativas: avaliação e diagnóstico do adolescente. In SILVA, E. A. e MICHELI, D. Adolescência – uso – e abuso de drogas: uma visão integrativa. São Paulo: Fap-UNIFESP 2011, p.134.


MIGOTT, A. M. B. Dependência química: problema biológico, psicológico ou social?. Cad. Saúde Pública. Mar 2008, vol.24, no.3, pp.710-711. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000300027.


MILLER, Willian R., ROLLNICK, Stephen. Entrevista Motivacional: Preparando as pessoas para a mudança de comportamentos adictivos. Porto Alegre: Artmed, 2001


MINUCHIN, S. Famílias: Funcionamento e Tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas, 1982


MINUCHIN, S.; FISHMAN, H. C. Técnicas de terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990


MIRANDA, Luiz Salvador de Sá jr. Diagnóstico da dependência de substâncias psicoativas, In Seibel, Sergio Dario, Toscano jr., Alfredo. et al. dependência de drogas. São Paulo:Editora Atheneu, 2001.


MORGAN, A. O que é a Terapia Narrativa? Uma introdução de fácil leitura. Porto Alegre: Centro de Estudos e Práticas Narrativas, 2007.


MORIN, Edgar. O Método 1: a natureza da natureza. Trad. Ilana Heineberg. Porto Alegre: Sulina, 2002a.


MOURA, Y. G.; SILVA, E. A.; NOTO, A. R. Redes sociais no contexto de uso de drogas entre crianças e ... Rev. Bras. Psiquiatr. v. 31, pp.208-213, 2009.


NATIONAL COUNCIL ON ALCOHOLISM. American medical society on alcoholism committee on definition. Definition of alcoholism, unpublished statement. 1976.


NIDA – National Institute on Drug Abuse – National Institutes of Health. Principles of drug addiction treatment.


NOTO, A. R. Uso de drogas psicotrópicas no Brasil: últimas décadas e tendências. Texto apresentado no II Congresso Internacional de Dependência Química. São Paulo, ago. 1998.


NOTO, A. R.; CARLINI, E. A. Internações hospitalares provocadas por drogas: análise de sete anos consecutivos (1987-1993). Rev. ABP-APAL, v.17, n. 3, pp.107-14, jul.-set. 1995.


NOVAES, Cláudio. et al. s.d. Impacto do alcoolismo em mulheres: repercussões clínicas.


OLIEVENSTEIN, Claude. et al. A Clínica do toxicômano: A Falta da falta.Trad. Francisco Franke Settineri. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.


OLIVEIRA, L. G.; NAPPO, S. A. Crack na cidade de São Paulo: acessibilidade, estratégias de mercado de formas de uso. Rev Psiquiatria Clínica, v. 35, pp. 212-218, jun.-julho 2008.


OMID – Observatório Mineiro de Informações sobre Drogas. Disponível em: <http://www.omid.mg.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=520&It emid=50>. Acesso em 23.4.2012.


OMS – ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Neurociência: Consumo e dependência de substâncias psicoativas. Resumo. Genebra, 2004.


ORFORD, J. Em busca de uma síntese no estudo da natureza da dependência de drogas: enfrentando as complexidades. In: EDWARDS, G.; LADER, M. et al. A Natureza da Dependência de Drogas. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.


ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação Internacional das Doenças – décima versão. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.


ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Técnico: Comitê OMS de peritos da farmacodependência. 20o relatório, n. 551, Genebra, 1974.


ORTH, A. P. S. da. A dependência de drogas e o funcionamento familiar à luz do pensamento sistêmico. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Mestrado em Psicologia. Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Florianópolis, SC, 2005.


OSÓRIO, L. C.; VALLE M. E. Manual de Terapia de famílias: novas tendências. Porto Alegre: Artmed, 2002.


Oxford University Press, 1999


PATRÍCIO, Luís Duarte Batista. et al. Face à droga: Como (re)agir?. Lisboa: SPTT Serviço de prevenção e tratamento de toxicomania,1997. Col. Projecto Vida.


PAULA RAMOS, Sérgio de, BERTOLOTE, José Manoel. et al. Alcoolismo Hoje. 2. ed. rev. e ampl. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.


PAYÁ, R.; FIGLIE, N. B. Filhos de dependentes de drogas. In: idem. Aconselhamento em dependência de drogas. São Paulo: Rocca, 2004.


PECHANSKY, F. SUPERA – Sistema para a detecção do uso abusivo e dependência de substâncias psicoativas: encaminhamento, intervenção breve, reinserção social e acompanhamento – PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA – Gabinete de Segurança Institucional – Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Encaminhamento de pessoas dependentes de substâncias psicoativas: Módulo 5 – Capítulo 2 – Tratamentos psicoterápicos utilizados no tratamento de pessoas dependentes de substâncias, 2008.


PENSO, M. A.; COSTA, L. F. A transmissão geracional em diferentes contextos – da pesquisa à intervenção. São Paulo: SUMMUS, 2008, 303p.


PESSINI, Léo. Dependência de drogas. O mundo da Saúde, São Paulo, V.23 (1):, jan./fev. 1999.


PRADO, D. O que é família. 12ª ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1981.


PRATTA, E. M. M.; SANTOS, M. A. Reflexões sobre as relações entre drogadição, adolescência e família: um estudo bibliográfico. Estud. psicol., Natal, RN, vol.11, n. 3, set./dez. 2006.


PROCÓPIO, Argemiro. O Brasil no mundo das drogas. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.


REICH, W. A função do orgasmo: problemas econômico-sexuais da energia biológica. São Paulo: Brasiliense, 1981.


REIS, T. R. Fazer em grupo o que eu não posso fazer sozinho: indivíduo, grupo e identidade social em Alcoólicos Anônimos. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2007.


REZENDE, M. M. de. Curto-circuito familiar e drogas: análise de relações familiares e suas implicações na farmacodependência. In: Linguagem Médica, 3. ed., Goiânia: AB, 2004.


RIGOTTO, S. D.; GOMES, W. B. Contextos de abstinência e de recaída na recuperação da dependência de drogas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, UnB, Brasília, DF, v. 18, n. 1, pp. 95-106, 2002.


ROIG, P. M. e TOMAZ, H. Drogas: Atuação e recuperação. Mitos e verdades. São Paulo: Empório do Livro, 1999.


SCHENKER, M. Valores familiares e uso abusivo de drogas. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher do Instituto Fernandes Figueira da Fundação Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, 2005.


SCHENKER, M.; MINAYO, M. C. S. Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência. Ciênc. Saúde Coletiva, vol.10, n. 3, Rio de Janeiro, jul./set. 2005.


SEADI, S. M. S.; OLIVEIRA, M. S. A terapia multifamiliar no tratamento da dependência de drogas: um estudo retrospectivo de seis anos. Psicol. Clin., vol. 21, n. 2, Rio de Janeiro, 2009.


SEIBEL, S. D.; TOSCANO JÚNIOR, A. Conceitos Básicos e Classificação Geral das Substâncias Psicoativas. In: idem. Dependência de Drogas. São Paulo: Atheneu, 2000.


SEIBEL, Sergio Dario, TOSCANO JR., Alfredo. et al. Dependência de drogas. São Paulo: Editora Atheneu, 2001.


SHAW, S. A critique of the concept of the alcohol dependence syndrome Br.J.Addict, 1979


SILVA, C. J. da; SERRA, A. M. Terapias Cognitiva e Cognitivo-Comportamental em Dependência de Drogas. Rev. Bras. Psiquiatr., vol. 26, n.1, São Paulo, maio 2004.


SILVA, E. A. Abordagens familiares. Jornal Brasileiro de Dependências Químicas, ABEAD 1. 2001, v.2, 21-24.


SILVA, E. A. da; FERRI, C. P.; FORMIGONI, M. L. O. S. Situações de recaída em pacientes dependentes de álcool e outras drogas durante o tratamento: um estudo preliminar. J. Bras. Psiquiatr., v. 44, n. 6, pp. 311-315, jun. 1995.


SILVA, E. A. da; MICHELI, D. de; CAMARGO, B. M. V. de, et al. Drogas na adolescência: temores e reações dos pais. Psicologia: Teoria e Prática, v. 8, n.1, pp. 41-54, São Paulo, 2006.


SILVA, E. A.; MICHELE, D. (orgs.). Adolescência, uso e abuso de drogas. São Paulo: FAP-UNIFESP, 2010.


SILVA, Eroy Aparecida. Abordagens Familiares. Jornal brasileiro de Dependências Químicas, ABAD., São Paulo, V. 2 (1): 21-24, junho. 2001.


SILVA, J. L.; MACEDO, R. M. S.; DERNT, N. B. B. B. et al. Um estudo das relações interpessoais em famílias com farmacodependentes. Psicologia em Estudo, Maringá, v.12, n.1, pp. 61-70, jan./abr. 2007.


SILVEIRA FILHO, Dartiu Xavier da. Drogas: Uma compreensão psicodinâmica das farmacodependências. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1995.


SKINNER, H. A. A validação da síndrome de dependência: Será que atingimos a meia vida deste conceito? In: EDWARDS, G.; LADER, M. et al. A Natureza da Dependência de Drogas. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.


SOLDERA, M.; DALGALARRONDOA, P.; CORRÊA FILHO, H. R. et al. Uso de drogas psicotrópicas por estudantes: prevalência e fatores sociais associados. Rev. Saúde Pública, v. 38, n. 2, pp. 277-83, 2004.


SPECK, R. V.; ATTNEAVE, C. L. Redes Familiares. Buenos Aires: Amorrortu Ed., 1990.


STANTON, M. D.; TODD, T. et al. Terapia familiar del abuso y adicciton a las drogas. 2. ed. Espanha: Gedisa, 1990.


STEINGLASS, P.; BENNETT, L. A.; WOLIN, S. J. et al. La familia alcohólica. 3. ed. Barcelona: Gedisa, 1997.


STERNSCHUSS, S.; ANGEL, P. O dependente de drogas e sua família. In: BERGERET, J.; LEBLANC, J. Dependência de drogas, uma visão multidisciplinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.


STIERLIN, H. Psicoanalisis y terapia de família. Espanha: Icaria, 1979. 


SUDBRACK, M. F. de. Terapia familiar sistêmica. In: SEIBEL, S. D.; TOSCANO JÚNIOR, A. Manual de Dependência de Drogas. São Paulo: Atheneu, 2001.


TAVARES, B. F.; BÉRIAB, J. U.; LIMA, M. S. de. Fatores associados ao uso de drogas entre adolescentes escolares. Rev. Saúde Pública, Porto Alegre, v. 38, n. 6, pp. 787-96, 2004.


TOSCANO JÚNIOR, A. Um Breve Histórico sobre o Uso de Drogas. In: idem. Dependência de Drogas. São Paulo: Atheneu, 2000.


TROTTER, T. An Essay, medical, philosophical and chemical, on drunkenness, and its effects on the human body. London: T.N.Longman and O Rees, 1804.


UNODC – United Nations Office on Drugs and Crime World Drug Report [Relatório sobre a droga em nível mundial, 2006], Gabinete das Nações Unidas Contra a Droga e o Crime, Viena. 2006. Disponível em: <http://www.unodc.org/brazil/pt/about_us.html>. Acessado em 23.3.2012.


VAILLANT, George, E. A História natural do alcoolismo revisitada. Trad. Bartira S. C. da Cunha e José Alaor L. dos Santos. Porto Alegre: Editora Artes Médicas, 1999.


Vasconcellos, M. J. E. Pensamento Sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas: Papirus, 2002.


VASCONCELLOS, M. J. E. Terapia familiar sistêmica: Bases Cibernéticas. Campinas, SP: Psy, 1995.


WALSH, F. Fortalecendo a resiliência familiar. São Paulo: Rocca, 2005.


WATZLAWICK, P. A Structured Family Interview. Family Process. v.5, n.2, 1966, pp.256-271.


WATZLAWICK, P.; BEAVIN, J. H.; JACKSON, D. D. Pragmática da comunicação humana: um estudo dos padrões, patologias e paradoxos da interação. São Paulo: Cultrix, 1993.


WHITE, M. O que é terapia Narrativa por Alice Morgan. Workshop. Porto Alegre, março, 2006.


WIEVIORKA, Sylvie. Les Toxicomanes: Entre prise de risque et réduction des risques. Psychotropes: Revue internationale des toxicomanies. Paris, V. 2: 97-103, junho. 1996.


ZAMPIERI, M. A. J. Codependência, o transtorno e a intervenção em rede. São Paulo: Ágora, 2004.


Instituto Rocha Brasil